CNAB: o que é e para que serve?

Atualizado em 26/03/2021
Por Pedro Mendonça

O CNAB – Centro Nacional de Automação Bancária – é uma ferramenta padronizada da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). O CNAB é utilizado tanto para remessa quanto para o retorno de dados e informações financeiras entre clientes e bancos, de maneira digital.

A FEBRABAN é responsável por estabelecer como será o formato das colunas e todo o conteúdo do texto a ser utilizado para facilitar a leitura de informações.

Vale um destaque: se você trabalha no setor financeiro, saiba de uma coisa: a FEBRABAN é um órgão regulador brasileiro e é um dos mais seguros e tecnológicos do mundo.

O CNAB apresenta ferramentas que auxiliam o gerenciamento de envios e recebimentos de forma automática, tornando o trabalho que seria manual, digital, e portanto, mais eficiente.

Dessa maneira, o CNAB auxilia no controle do fluxo de pagamentos, agindo desde o envio da remessa ao determinado banco, até o retorno das informações para a empresa dar baixa.

Qual objetivo do CNAB?

De forma direta, o objetivo do CNAB é digitalizar, tanto a emissão como a baixa dos pagamentos, fazendo com que os dados sejam preenchidos de maneira automática e já dentro do padrão.

Facilidade do CNAB

Uma grande facilidade e funcionalidade do CNAB é manter o banco de dados da sua empresa, no seu sistema de gestão, atualizado, pois através dele as compensações serão comunicadas de forma automática.

Nesse sentido, essas compensações acontecerem de forma automática reduzem significativamente o trabalho manual de digitação, que deveria ser feito a cada documento a ser pago.

CNAB de Pagamento

O processo é muito simples e fácil de ser explicado. A empresa que precisa realizar um pagamento, necessita que o software/sistema de gestão e controle comercial que ele utiliza gere o arquivo de remessa. Após esse passo, será preciso acessar o site do banco em questão para realizar o envio do registro de pagamento manualmente.

O arquivo de remessa irá passar por um processo de validação, e caso ocorra algum erro, o banco irá informar. Após finalizada a validação e autenticação desses dados, o pagamento é homologado e então é gerado o arquivo de retorno.

Após esse processo, é possível fazer o download do arquivo de retorno e o upload no sistema ERP ou de gestão e controle comercial. Caso você efetue o pagamento via boleto ou transferência, é preciso esperar o registro dos bancos para acessar o arquivo de retorno.

Esse processo é simples, contudo trabalhoso e que exige bastante atenção do setor financeiro da empresa. Contar com um sistema de controle comercial e industrial que automatize esses processos será um diferencial nas suas rotinas.

Principal vantagem do CNAB

A principal vantagem do CNAB para as empresas, é estabelecer uma relação direta entre o seu sistema de gestão (ERP) e as instituições bancárias, fazendo com que boa parte do trabalho manual seja automatizada.

Essa automatização da operação financeira, auxilia ainda nas atualizações diárias do seu banco de dados.

Como o CNAB funciona

O CNAB, Centro Nacional de Automação Bancária, alimenta os bancos de dados do seu sistema de gestão das empresas (ERP), mantendo-os atualizados no que tange aos recebimentos.

Além de manter esses atualizado os bancos de dados do seu ERP, o CNAB da baixa automática dos títulos, e isso se deve à padronização de comunicação.

Essa baixa automática facilita e dinamiza os processos no dia-a-dia da sua empresa, uma vez que evita a necessidade de digitalização de cada boleto compensado.

O processo de funcionamento do CNAB é bastante simples.

A empresa que for realizar o pagamento, precisa que seu sistema de gestão (ERP) gere o arquivo de remessa. Após esse arquivo de remessa gerado, o próximo passo será acessar o site do determinado banco para enviar o registro de pagamento, manualmente.

O arquivo de remessa será validado. Caso ocorra algum erro, o banco irá informar.

Após a validação e autenticação dos dados, o pagamento será então homologado. Com isso, será gerado o arquivo de retorno. E, para que esses dados sejam inseridos ao seu ERP, a empresa precisa fazer o upload do arquivo de retorno.

OBS: nos casos de pagamentos efetuados via transferência e boleto, em específico, é necessário esperar o tempo de registro dos bancos para poder acessar o arquivo de retorno.

CNAB 240 e CNAB 400

A numeração 240 e 400 referem-se ao layout que o arquivo CNAB possui. Vale destacar que existem diferenças e variações de acordo com o tipo de banco.

Para os pagamentos, quase todos os bancos utilizam o CNAB 240.

Já os emissores de boletos, utilizam dois tipos: CNAB 240 e o CNAB 400.

CNAB 240:

Possui 4 segmentos de 240 posições. É possível acrescentar outros títulos dentro do mesmo arquivo.

Nesse layout, possui tudo que o CNAB 400 realiza, além da utilização de serviço bancário correspondente, pagamento de contas e agendamento de pagamento de título.

CNAB 400:

Possui uma quantidade inferior de informações, apenas 400 posições.

O layout opera com carteira de cobrança simples e garantidaNão permite o serviço de lotéricas, por exemplo (banco correspondente).

O CNAB 400 é comumente utilizado para postagem de títulos pelos correios e protesto.

A vantagem dele em relação ao CNAB 240 é: rapidez nas informações e simplicidade.

Layout: qual utilizar?

Tanto as transações de remessa como de retorno podem sofrer alterações de acordo com o banco.

Portanto, é importante que você defina o tipo de informação que precisa e qual é ofertado pela instituição bancária.

Outro ponto importante: o volume de transações também influencia nessa decisão.

Layout de CNAB dos bancos

Você sabe qual layout o banco que você opera possui?

Como dito anteriormente, cada banco possui suas especificidades nos arquivos CNAB.

Nesse sentido, segue uma tabela atualizada dos bancos e seus respectivos layouts:

Banco Real: CNAB 400 e 240
Banco Santander: CNAB 400 e 240
Banco Itaú: CNAB 400 e 240
Banrisul: CNAB 400
Banco do Brasil: CNAB 400 e 240
Bradesco: CNAB 240
Banco Inter: CNAB 240
Banco Safra: CNAB 400
Caixa: CNAB 400 e 240
Banco Mercantil: CNAB 400
Sicoob: CNAB 240
Banco Bradesco: CNAB 400
Bank Boston (Itaú): CNAB 400
C6 Bank: CNAB 240
Banco Bic Banco: CNAB 400
Banco Unibanco: CNAB 400
Banco HSBC: CNAB 400
Banco SUDAMERIS: CNAB 400
Banco Banestes: CNAB 400
Banco Nossa Caixa São Paulo: CNAB 400
Sicredi: CNAB 240

Além disso, vale destacar que alguns bancos digitais não trabalham com CNAB.

CNAB: Desafios Tecnológicos

Um dos maiores desafios do CNAB é a adequação as regulamentações de cada banco, uma vez que cada banco tem seu próprio padrão de emissão de boletos.

Um exemplo disso é o caso do Código de Ocorrência Pagador.

Em relação ao Código de Ocorrência Pagador (segmento R; posição 207), o Banco do Brasil não trata a informação.

ITAÚ, por sua vez, efetua o tratamento com seus códigos próprios.

Como dito anteriormente, a maior dificuldade do CNAB, é que as empresas estejam atentam para todas as especificidades.

Sistema para Controle dos Arquivos do CNAB

A melhor alternativa para controlar os arquivos do CNAB, de forma automatizada e tecnológica, é optar por um sistema de gestão comercial e industrial que faça a comunicação com os bancos e a emissão dos boletos, dentro do arquivo CNAB 400 como dentro do CNAB 240.

Know How – Sistema de Gestão Comercial e Industrial da Principal Softwares, é a ferramenta precisa para os decisores interessados em zerar as operações manuaisreduzir severamente a margem de erro e economizar um bem precioso: tempo.

Ficou interessado? Clique aqui para saber mais sobre o Know How!